1.8.10

Céu ou Mar...tudo se transformou em encantamento!

Não sou 'crítico' musical e talvez nem seja a pessoa mais indicada a falar sobre isso, nem esse texto tem tal pretensão; mas música sempre foi uma paixão em minha vida e, independente da forma, ela faz parte do meu cotidiano. Por isso, acredito que o fator principal - que me faz escrever essas linhas é o que senti na última noite: encantamento!
Ontem em São Luis aconteceu o show da cantora mineira Ceumar. Trazida pela Produtora Musicália, que tem entre uma das direções um dos meus rasinhos mais queridos - Gilberto Mineiro -, a cantora apresentou aos ludovicenses o show "Meu Nome", último disco de sua carreira, lançado em 2009. O Show integra o Projeto Conexões Musicais, da Musicália, que busca, entre outros, uma interação entre artistas nacionais e locais. Nesse show, quem abriu e dividiu o palco em três canções com Ceumar foi a maranhense Tássia Campos.

Para mim e os ralados o show foi a comemoração do aniversário de Poly. Um pré-aquecimento na Praia Grande, seguimos para o Teatro João do Vale. Uns minutos mais, o show de abertura e após, a estrela da noite. Interessante que nesse momento, mal Ceumar entrou, pensei alto e disse à Luca: "Ela entrou de Iansã!". Em seguida, vem Albert dizendo o mesmo (rs). Tudo isso, porque Ceumar entrou toda de vermelho, com os cabelos naturalmente revoltos e belos, constratando com seus olhos claros; e o que mais gostei (que, para mim, compôs o conjunto): estava descalça! Curiosas algumas sintonias...

Voz e violão, Ceumar cantou músicas inéditas e alguns sucessos de sua carreira como Dindinha, do meu conterrâneo Zeca Baleiro. Afinadíssima, passeou pelo palco com segurança e serenidade, interagindo com a platéia.
Parecia atenta a tudo e, ao mesmo tempo, liberta, como se fossem apenas o palco, sua música e ela. Até aí, normal dentro das muitas apresentações que vi até hoje, considerando que cada artista tem uma personalidade musical e isso infere nas suas apresentações, postura e etc.
C
onfesso que há tempos não assistia a um show tão bom, desde o da maravilhosa Bethânia, em Lisboa. Mas meu encantamento não se deu pelo conjunto de tudo isso que escrevi até agora...

Houve momentos - especialmente em duas músicas que não me recordo sinceramente os nomes - que ao vê-la no palco, ao linkar melodia e letra, do nada, fui tomada por uma emoção tão forte, um encantamento tão grande que quando me deparei, senti algumas lágrimas descerem e me veio uma sensação boa de que não era à toa eu estar ali. Não sei explicar! Só senti e foi muito bom!
No final, cheguei à modesta conclusão de que apesar do vermelho que a compunha, ela estava mais para Iemanjá, nos seus momentos de calmaria, de mar!
Obrigada à Ceumar por me proporcionar esse encantamento e aos meninos por me terem levado!

5 comentários:

Luana! disse...

Viu?! No final das contas, qdo eu disse q era Iemanjá tu desdenhou meu 'erro proposital', ó só! =P

Mas foi lindo mesmo. Tudo. Empolgar c voz e violão não é 'apenas' e nem é para qualquer artista. Valeu à pena para nós que presenciamos o encontro de duas ótimas artistas.

Bjoo

Musikalia disse...

existência dos últimos resistentes da
Ilha Galápagos, a ultima das Capitanias Hereditárias.
O que vem aí? Mais pólvora e flores, nossas armas necessárias na luta idária contra "a vida de gado, povo marcado povo feliz", que nos é imposto em La Isla Rebelde.
Saúde e paz!
Gil

Anônimo disse...

Ceumar é a voz mais linda que já ouvi

Carmem Silvia disse...

Ceumar é mesmo uma pessoa ilumindada!
Tô esperando ela aqui em SP!

Alberto Júnior disse...

"Saudade eu tenho de tudo do que a gente vai viver, mas ainda não teve tempo."
São tantas experiências musicais que a gente ja sente saudade mesmo sem ainda ter vivido. Este show foi uma delas. Ainda falta muitas outras. Foi um lindo show. Beijo.