6.12.09

Consciência não tem cor!

Sempre faço um texto em homenagem ao 20 de novembro e expresso meu pensamento acerca de todo o cenário componente da causa negra, dentro do meu 'ainda limitado 'conhecimento sobre o tema. Este ano, ao invés de fazer um texto específico, resolvi falar de um grupo em especial e o cenário é outro, espacial e (por que não dizer?) cheio de simbologias...
...bucólico, respirava tempos áureos num misto com o contemporâneo...Era 16 de novembro, São Luis (MA), praia grande, Escola de capoeira Mandingueiros do Amanhã e um grupo de jovens reunidos, entusiasmados, à espera do início de mais uma ação em prol da causa negra, em especial da juventude e de (penso que podemos assim chamar!) um desejo: ver seu trabalho dar certo, sua luta não ser em vão. Este grupo compõe o Fórum Estadual de Juventude que realizava a Abertura da Semana Jovem da Consciência Negra, com o lançamento da Campanha Contra o Extermínio da Juventude Negra.

Trata-se de um grupo de jovens maranhenses que representam o Fórum Estadual da Juventude Negra e que vem desenvolvendo um trabalho junto à juventude local, sobretudo nas áreas de baixa renda onde, infelizmente, ainda se concentra a maior parte da população negra no estado e no país. As ações vão desde oficinas de cunho sócio-educativo e cultural, além da participação em Congressos, Seminários, encontros de discussão visando um resultado positivo e, por que não dizer, mais justo para a população negra brasileira. Ainda partilho da idéia de que a educação é o melhor caminho e que mesmo que saibamos (e há dados estatítiscos comprovando!) que esta é uma medida que levará um bom tempo para dar um resultado eficiente, é de casa, continuando na escola e por aí vai, que deve ser o primeiro passo; e claro, todas as lutas paralelas casam com essa proposta em prol de uma sociedade mais justa (utopia?) onde não exista discriminação por conta da cor da pele ou qualquer outro tipo de racismo.

O encontro do dia 16 de novembro apresentou à sociedade o Fórum e as propostas que seriam apresentadas no período de 19 a 21 de novembro, em Salvador (BA), num encontro que reuniu pessoas de todo o país entre autoridades, representantes do movimento negro e afins. Durante o evento, em São Luis, as lideranças do Fórum estadual apresentaram a campanha nacional, promoveram uma mesa de diálogo, além de uma programação cultural que contou com a participação do grupo de capoeira Mandigueiros do Amanhã, comandados pelo mestre Bamba e da apresentação de um grupo de hip hop local. A programação extendeu-se durante toda semana com atividades que foram desde a apresentação de filmes, documentários, oficinas até uma caminhada, realizada no centro da capital, reunindo cerca de 50 a 60 pessoas.
Nunca escondi que meu envolvimento com a causa negra e todo o universo que dela faz parte vem de pouco tempo, apenas dois anos, ainda que antes tenha acompanhado em certa medida os acontecimentos, ações e etc e encantado-me com algumas histórias absolutamente inspiradoras e principalmente, reais; e pensar o movimento negro hoje não implica apenas em ações como essas, mas numa união delas, com consciência e conhecimento acerca do universo que a compõe, que dela advém, que vem sendo construído.

A partir de contatos mais próximos, alguns, diários com pessoas ligadas ao movimento e à causa, pude perceber o quanto ela é 'normal', do ponto de vista das disputas internas, dos jogos de poder, das relações sociais e acaba por não se diferenciar muito de outras esferas que não a causa negra; mas esta possui um 'q' a mais, seja na sua essência, seja nas pessoas que a congregram ou mesmo nas transformações que ao longo desses 400 anos, desde a vinda dos primeiros escravos vêm se manifestando em nosso país e no mundo, e que continuam a se manifestar, embora de forma lenta, mas efetiva; e a reunião destes jovens na semana em que se comemora o aniversário de morte de Zumbi dos Palmares e que foi instituído pelo projeto de lei n°. 10.639, em 2003, dia da consciência negra no Brasil, mostra que estamos no caminho certo.

Muito se tem discutido, muitas ações têm sido feitas e avanços importantíssimos dados; e a participação de ong's, entidades negras, políticos, acadêmicos e uma leva de pessoas engajadas numa mudança que se constitui, na realidade, num direito, tem sido determinante na realidade atual que vivemos. Ainda não é o sonhado, mas não se pode negar os progressos, a longo prazo, é verdade, mas que estão ai e se cada um não fizer sua parte: sociedade, poderes público e privado, instituições e etc., não chegaremos ao objetivo no que concerne à causa negra, que não deixa de ser a causa de todo um país. Por isso, parabéns aos meninos e à iniciativa!

Para quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho do grupo que compõe o Fórum Estadual de Juventude Negra e do trabalho já realizado, pode acessar o blog: www.fojunema.blogspot.com.

1 comentários:

Lorena disse...

Obrigada Milena, sua contribuição e parceria são muito importantes para nós, do Fojune-MA...Estamos juntos nessa luta!!!